terça-feira, 4 de fevereiro de 2014

Cúmulo do azar


Uma pessoa acorda com o olho esquerdo inchado e vermelho, vai trabalhar e bate com o cotovelo na ombreira da porta que resulta numa tremenda dor de cotovelo e com direito a esfolar, lá pelo meio corta-se no dedo indicador e a caminho de casa, com uma ventania desgraçada e a chover a potes, já a avistar a porta de casa tão pertinho, o chapéu de chuva arma-se em engraçado, vira-se, parte-se todo e deixa-a encharcada qual patinha.
E estes são os melhores dias, porque curiosamente ou não, fazem-me rir a bandeiras despregadas. Ainda agora me estou a rir de tanto azar num só dia.

2 comentários:

Laura disse...

E é assim que deve ser! Rir da nossa desgraça! ahah

Becas disse...

Obrigada :)
Vais ver que este mês passa num instante ihih